Na foto, o presidente Fábio Pimentel (esquerda) e diretores do Sindest em protesto na Praça da Independência

Eleger Lula presidente do Brasil e representantes dos trabalhadores para a maioria do congresso nacional, nas eleições de 2 de outubro, é a meta da Força Sindical e outras centrais.
Esse foi o tema principal do programa ao vivo do sindicato dos 12 mil servidores estatuários e 6 mil aposentados de Santos (Sindest), pelo Facebook e Youtube, na noite de segunda-feira (18).
O presidente da entidade e coordenador paulista dos sindicatos de servidores federais, estaduais e municipais filiados à central, Fábio Pimentel, foi taxativo: “Fora Bolsonaro, Lula presidente”.
“Muitos não gostam quando falo assim, mas a verdade é que o atual governo quase acabou com os serviços públicos e automaticamente com os servidores por meio de uma reforma administrativa que não vingou”.

Nefastas
reformas

Fábio ponderou que a reforma não foi aprovada pelo congresso nacional por forca da mobilização do funcionalismo em nível nacional e porque 2021 foi ano pré-eleitoral.
“Não fosse isso, teria sido aprovada. E se Bolsonaro for reeleito, a medida será de novo submetida aos deputados, com grandes chances de aprovação, se não renovarmos o congresso”.
O presidente do Sindest tem certeza de que se Lula ganhar, não apresentará projeto semelhante e proporá a revogação de “reformas nefastas” aprovadas nos governos Temer e Bolsonaro.

Conscientizar
os trabalhadores

Ele citou a reforma trabalhista, que retirou direitos dos assalariados e enfraqueceu os sindicatos. Criticou também a reforma previdenciária, que “praticamente acabou com o direito à aposentadoria”.
Fábio disse que, “infelizmente, muitos ainda cultivam a ideia, incutida na ditadura militar, de que sindicalismo e política partidária não se harmonizam. Mas a realidade exige atuação política dos sindicalistas”.
“É nossa tarefa conscientizar os trabalhadores e o povo em geral de que esse governo não pode continuar. E que precisamos de um congresso nacional comprometido com nossas reivindicações”.

‘Só falam
em finanças’

O dirigente salientou que, graças à lei federal complementar 173-2020, os servidores ficaram dois anos sem correção salarial. Segundo ele, os de Santos ficaram três anos nessa situação.
“Desde o governo Temer”, reclamou Fábio, “só falam em finanças. Foram dois desgovernos do ponto de vista social. E assim continuará, com a miséria aumentando, se Bolsonaro for reeleito”.
O diretor de comunicação do Sindest, Daniel Gomes, complementou o raciocínio do presidente: “Temos que tirar Bolsonaro. Não podemos ficar alheios à conjuntura política nacional”.

Lutas
sindicais

E continuou: “Como as leis são votadas, aprovadas ou recusadas no congresso nacional, temos que ter representantes dos trabalhadores na câmara e senado”.
Herbert Passos, coordenador da FS na baixada, litoral e vale do Ribeira, também destacou a necessidade dos trabalhadores elegerem deputados e senadores comprometidos com as lutas sindicais.
“Todos os direitos legais dos assalariados surgiram da influência do movimento sindical sobre os congressistas”, disse Passos, que é presidente do sindicato dos químicos da região e dirigente nacional da FS.

Projeto de
reconstrução

“Cada classe social vota em candidatos de sua classe”, observou o sindicalista. “Portanto, devemos votar nos nossos candidatos e não naqueles que representam os empresários”.
O presidente da central no estado de São Paulo, Danilo Pereira da Silva, também participou da ‘live’ e falou sobre o documento que Lula recebeu da FS, CUT, CTB, UGT, NCST, Intersindical e Pública.
Foi na capital paulista, semana passada, quando Lula afirmou tratar-se não de uma pauta reivindicatória, mas, na verdade, de um projeto de governo para reconstrução nacional.

História e
experiência

Danilo, que é vice-presidente da federação estadual dos trabalhadores na indústria química e farmacêutica (Fequimfar), explicou a origem do documento e falou sobre sua importância.
As sugestões dos sindicatos para Lula foram aprovadas no congresso nacional da classe trabalhadora (Conclat), em março, que contou também com a participação da central CSB.
Além da questão nacional, os debatedores da ‘live’ abordaram a atuação da FS na região, que, para Danilo, representa “muita experiência e história de um sindicalismo autêntico”.

Perfil
aglutinador

Passos destacou o “perfil aglutinador” do Sindest em relação aos sindicatos dos servidores de Guarujá, Praia Grande, São Vicente e agora até de Peruíbe e Mongaguá, que, segundo ele, se aproximam da FS.
“É impressionante como os sindicalistas das diversas categorias, e não apenas de servidores, se sentem à vontade para conversar com Fábio e articular lutas trabalhistas na região”.
Daniel lembrou que os servidores estatutários de Santos formam a maior categoria de trabalhadores da baixada e litoral. E elogiou o trabalho de Fábio na coordenação do sindicalismo dos servidores no estado.

Força
conjunta

Fábio, por sua vez, agradeceu aos elogios e disse que a presença do Sindest na FS “dá à categoria melhores condições de negociar com a prefeitura com mais vigor e esteio”.
“Com os sindicatos organizados numa central forte como a nossa, os interlocutores nas negociações sentem-se diante não de uma entidade isolada, mas de uma força conjunta”, disse o presidente do Sindest.
Convidado, o secretário-geral da executiva nacional da FS, João Carlos ‘Juruna’ Gonçalves, confirmou presença mas não pôde participar por causa de uma gripe inesperada.

Sem Comentários

Você pode postar primeiro comentário resposta.

Deixe Um Comentário

Por favor, insira seu nome. Digite um endereço de e-mail válido. Digite uma mensagem.