Na foto, assembleia de aprovação da pauta, quinta-feira à noite, na sede do sindicato

Dez por cento e aumento real, reposição salarial conforme a inflação de janeiro de 2019 a fevereiro de 2020, cesta-básica de R$ 500 e vale alimentação de R$ 35 diários ou R$ 1.050 por mês.
Essas foram as reivindicações econômicas aprovadas em assembleia do sindicato dos servidores estatutários municipais de Santos (Sindest) na quinta-feira (21), para a data-base de fevereiro.
Junto com as cláusulas sociais, a pauta será encaminhada na semana que vem ao prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), segundo o presidente do sindicato, Fábio Marcelo Pimentel.
“Nossa intenção é iniciar as negociações já em dezembro e finalizá-las na primeira quinzena de janeiro”, diz o sindicalista. “Com boa vontade, a prefeitura pode concluir rapidamente esse processo”.

Decreto
da pecúnia

Na tarde de quinta-feira, o sindicalista presenciou o prefeito assinar o decreto, publicado no diário oficial desta sexta (22), regulamentando o pagamento de licenças-prêmios convertidas em pecúnias.
O pagamento será efetuado de acordo com a ordem cronológica de apresentação dos pedidos dos interessados junto à secretaria municipal de gestão. E ficará condicionado à disponibilidade orçamentária.
Terão preferência os servidores acometidos de doenças graves e as famílias de funcionários já falecidos. “Demorou, mas conseguimos”, diz o presidente do Sindest.

Projetos
na câmara

O prefeito enviou à câmara municipal, na segunda-feira (18), dois projetos de lei em benefício dos operadores sociais de lares-abrigos e os agentes de zoonoses.
O primeiro garante gratificação de 20% do salário-base, correspondente a um pouco mais do valor reivindicado de R$ 500. O segundo estabelece o reenquadramento do nível ‘g’ para nível ‘i’.
Os projetos, depois de aceitos como objeto de deliberação pelos vereadores, serão pautados para votação. O sindicato convocará os servidores para acompanhar a votação.

Projeto
dos cemitérios

Ficou pendente, segundo Fábio, o projeto de lei referente aos trabalhadores nos três cemitérios da cidade, com a gratificação de R$ 600, que será remetido à câmara ainda neste mês.
O atraso se deveu a problemas de interpretação por parte da chefia dos cemitérios. “Mas a reavaliação será rápida, segundo a prefeitura, e o projeto terá tramitação em regime de urgência”.

Frutos
de lutas

O atendimento dessas reivindicações, segundo ele, “é fruto de muita luta e insistência do sindicato e dos segmentos envolvidos, que chegaram inclusive a aventar a possibilidade de greve”.

Siga e Compartilhe
error0

Sem Comentários

Você pode postar primeiro comentário resposta.

Deixe Um Comentário

Por favor, insira seu nome. Digite um endereço de e-mail válido. Digite uma mensagem.